Pular para o conteúdo principal

ESCOLA-EBD.COM

Celebrando de maneira festiva

leitura diária Celebrando de maneira festiva


Leitura Diária 1 Coríntios 5

7 Alimpai-vos, pois, do fermento velho, para que sejais uma nova massa, assim como estais sem fermento. Porque Cristo, nossa páscoa, foi sacrificado por nós.
8 Por isso façamos a festa, não com o fermento velho, nem com o fermento da maldade e da malícia, mas com os ázimos da sinceridade e da verdade.

Reflexão

O apóstolo Paulo nos exorta a celebrar a Páscoa cristã com alegria e sinceridade, livrando-nos do fermento da malícia e da maldade, e alimentando-nos do pão ázimo da pureza e da verdade. Ele usa a imagem da festa judaica da Páscoa, na qual se comia pão sem fermento por sete dias, para nos ensinar que devemos viver uma nova vida em Cristo, o nosso Cordeiro pascal, que foi imolado por nós na cruz.

 

Siga o canal “Leitura Diária da EBD” no WhatsApp: CLIC AQUI

A Páscoa é a celebração da libertação do povo de Deus da escravidão do Egito, mas também é um símbolo da libertação que Cristo nos concede do pecado e da morte. O fermento representa o pecado que contamina e corrompe toda a massa, e por isso deve ser eliminado. O pão ázimo representa a santidade que devemos buscar como filhos de Deus, que fomos redimidos pelo sangue precioso de Cristo.

Portanto, celebrar a Páscoa cristã não é apenas lembrar o que Cristo fez por nós, mas também renovar o nosso compromisso de segui-lo e imitá-lo em tudo. É uma ocasião para examinarmos a nossa vida à luz da Palavra de Deus, e confessarmos os nossos pecados, pedindo perdão e graça para mudarmos. É também uma oportunidade para expressarmos a nossa gratidão e louvor a Deus por sua grande salvação, e para compartilharmos o seu amor com os nossos irmãos e com os que ainda não o conhecem.

Que possamos celebrar a Páscoa cristã de maneira festiva, mas também de maneira séria e responsável, sabendo que fomos chamados para sermos uma nova criação em Cristo, uma oferta de aroma agradável a Deus.

Veja tipos de ervas amargas

Na tradição judaica, durante a celebração da Páscoa (ou Pesach), é comum consumir ervas amargas, conhecidas como “Maror”, como parte do Seder, uma refeição cerimonial que marca o início da festa. As ervas amargas simbolizam a amargura e a dificuldade da escravidão dos filhos de Israel no Egito.

Dentre as ervas amargas tradicionalmente utilizadas, algumas das mais comuns incluem:

Endro amargo (Chazeret): O endro amargo é frequentemente usado como uma das ervas amargas. Pode ser consumido cru, em conserva ou cozido.

Alface amarga (Romaine): Algumas comunidades judaicas usam alface amarga, como Romaine, como uma das ervas amargas.

Raiz de rábano forte (Chrein): Às vezes, a raiz de rábano forte é servida como outra opção de Maror, que pode ser ralada e misturada com vinagre.

Estas ervas amargas são consumidas com matzá (pão ázimo) e mergulhadas no “Charoset”, uma mistura doce que simboliza a argamassa usada pelos escravos hebreus na construção no Egito. O consumo desses elementos durante o Seder tem significados simbólicos específicos que lembram a libertação dos filhos de Israel da escravidão no Egito.

  • Autores do blog: Ivaldo Fernandes
  • Título: Celebrando de maneira festiva
  • Last updated: 

Comentários