Pular para o conteúdo principal

ESCOLA-EBD.COM

esboço para culto de missões

A Importância das Missões na Grande Comissão:
Jesus instrui seus discípulos a espalhar o evangelho pelo mundo (Mateus 28:19-20).
Paulo viaja extensivamente para disseminar o evangelho em diferentes regiões (Atos 13:47).
O Espírito Santo capacita os crentes para testemunhar até os confins da terra (Atos 1:8).

O Chamado Individual para as Missões:
Deus chama Moisés para libertar seu povo do Egito (Êxodo 3:10).
Isaías responde ao chamado de Deus, dizendo “Eis-me aqui, envia-me a mim” (Isaías 6:8).
Paulo é escolhido como instrumento para levar o evangelho aos gentios (Atos 9:15).

A Preparação para as Missões:
Moisés é treinado no deserto antes de liderar os israelitas (Êxodo 2:15).
Os discípulos passam tempo com Jesus antes de serem enviados (Mateus 10:1-4).
Paulo é instruído na Lei sob Gamaliel antes de sua conversão (Atos 22:3).

Os Desafios das Missões:
Paulo enfrenta perseguição e prisão por pregar o evangelho (2 Timóteo 4:6-8).
Os discípulos encontram resistência e hostilidade ao espalhar a mensagem de Jesus (Atos 14:19-20).
Moisés enfrenta a incredulidade de Faraó durante a libertação dos israelitas (Êxodo 5-14).

O Poder do Evangelho nas Missões:
O evangelho é descrito como “o poder de Deus para salvação” (Romanos 1:16).
O testemunho dos apóstolos transforma vidas em várias cidades (Atos 14:1).
A proclamação do evangelho resulta em milhares de conversões em Pentecostes (Atos 2:41).

A Colaboração nas Missões:
Paulo trabalha com Barnabé, Silas e outros em suas viagens missionárias (Atos 15:36-41).
Os discípulos são enviados de dois em dois para pregar o evangelho (Marcos 6:7).
Priscila e Áquila ajudam a instruir Apolo no caminho do Senhor (Atos 18:24-26).

A Estratégia das Missões:
Jesus envia os discípulos primeiro às ovelhas perdidas de Israel (Mateus 10:5-6).
Paulo adapta sua mensagem ao contexto cultural de diferentes cidades (1 Coríntios 9:19-23).
Os primeiros cristãos estabelecem igrejas locais para fortalecer os convertidos (Atos 14:23).

O Impacto das Missões na História da Igreja:
A disseminação do evangelho transforma o Império Romano (Colossenses 1:6, 23).
Os primeiros missionários estabelecem comunidades cristãs em todo o mundo conhecido (Romanos 15:19).
O testemunho dos mártires inspira outros a abraçar a fé cristã (Apocalipse 12:11).

O Suporte Financeiro nas Missões:
Os crentes em Filipos contribuem financeiramente para o ministério de Paulo (Filipenses 4:15-18).
Jesus ensina sobre a importância de investir no Reino de Deus (Mateus 6:19-21).
Paulo instrui Timóteo sobre a responsabilidade de cuidar dos obreiros (1 Timóteo 5:17-18).

A Recompensa Eterna das Missões:
Jesus promete recompensas aos que abandonam tudo por causa do evangelho (Mateus 19:29).
Paulo anseia pela coroa da justiça reservada para os que amam a vinda de Cristo (2 Timóteo 4:8).
O livro de Apocalipse descreve uma grande multidão de todas as nações adorando a Deus (Apocalipse 7:9-10).

O Papel da Oração nas Missões:
Jesus ensina seus discípulos a orar pelo envio de trabalhadores para a colheita (Mateus 9:37-38).
A igreja primitiva ora fervorosamente pela libertação de Pedro da prisão (Atos 12:5).
Paulo solicita orações para que a palavra de Deus se espalhe rapidamente e seja glorificada (2 Tessalonicenses 3:1).

O Testemunho Pessoal nas Missões:
O cego curado por Jesus testemunha sobre o poder de Jesus para transformar vidas (João 9:25).
A mulher samaritana convida outros a conhecerem Jesus depois de seu encontro com ele (João 4:28-30, 39).
O endemoninhado gadareno proclama o que Jesus fez por ele em toda a região (Marcos 5:18-20).

A Adaptação Cultural nas Missões:
Paulo cita poetas e filósofos gregos ao pregar em Atenas para se conectar com sua audiência (Atos 17:22-31).
Jesus usa parábolas e metáforas do cotidiano para transmitir verdades espirituais (Mateus 13:34-35).
Os discípulos praticam a inculturação ao abraçar costumes locais para compartilhar o evangelho (1 Coríntios 9:19-23).

O Discipulado nas Missões:
Jesus passa tempo intencional com seus discípulos, ensinando e modelando o caminho do Reino (Mateus 4:19).
Paulo investe em Timóteo e Tito, equipando-os para liderar e ensinar outros (2 Timóteo 2:2).
Barnabé acompanha João Marcos em sua jornada missionária, capacitando-o para o ministério (Atos 15:36-41).

1111111111111111111111111111111

A Responsabilidade da Igreja nas Missões:
A igreja de Antioquia envia Paulo e Barnabé em sua primeira viagem missionária (Atos 13:1-3).
Os crentes em Jerusalém apoiam financeiramente os irmãos necessitados em outras regiões (Atos 11:27-30).
A igreja de Corinto é encorajada a contribuir generosamente para as necessidades dos santos (2 Coríntios 9:6-8).

A Redenção das Culturas nas Missões:
A mensagem do evangelho transcende barreiras culturais para unir pessoas de todas as nações (Gálatas 3:28).
Os dons e talentos das diversas culturas são valorizados e usados no serviço do Reino de Deus (1 Coríntios 12:4-11).
A visão de João em Apocalipse revela uma nova Jerusalém onde todas as nações trazem sua glória (Apocalipse 21:24-26).

A Importância da Educação nas Missões:
Paulo instrui Timóteo a ensinar homens fiéis que possam, por sua vez, ensinar outros (2 Timóteo 2:2).
Jesus passa tempo ensinando e discipulando seus seguidores, preparando-os para o ministério (Mateus 28:20).
Os discípulos são encarregados de ensinar tudo o que Jesus lhes ordenou (Mateus 28:19-20).

A Resposta das Autoridades às Missões:
Paulo apresenta sua defesa perante governadores e reis, aproveitando a oportunidade para testemunhar sobre Jesus (Atos 26:1-32).
A palavra de Deus continua a se espalhar mesmo em meio à oposição das autoridades religiosas e civis (Atos 6:7; 12:24).
Daniel, mesmo sob o governo de reis estrangeiros, continua a ser fiel a Deus e a influenciar a cultura (Daniel 6:1-28).

O Sacrifício nas Missões:
Jesus ensina que aqueles que seguem a Ele devem estar dispostos a negar a si mesmos e tomar suas cruzes diariamente (Lucas 9:23).
Paulo descreve seu sofrimento em nome de Cristo como parte de seu serviço ao evangelho (2 Coríntios 11:23-28).
Os mártires da igreja primitiva dão suas vidas por causa do evangelho, testemunhando até mesmo em meio à perseguição (Atos 7:54-60).

O Papel da Misericórdia nas Missões:
Jesus ensina sobre a importância de mostrar misericórdia aos outros, assim como Deus nos mostra misericórdia (Mateus 5:7).
A parábola do bom samaritano ilustra o mandamento de amar o próximo e mostrar compaixão pelos necessitados (Lucas 10:25-37).
Paulo exorta os crentes a se vestirem de compaixão, bondade, humildade, mansidão e paciência (Colossenses 3:12).

A Proteção Divina nas Missões:
Deus promete estar com seus servos em todas as circunstâncias, mesmo nas mais perigosas (Isaías 43:2).
Os anjos são enviados por Deus para proteger e libertar seus servos em momentos de perigo (Atos 12:7-11).
Jesus prometeu estar com seus discípulos até o fim da era, dando-lhes coragem e proteção (Mateus 28:20).

A Recompensa das Missões na Eternidade:
Jesus promete recompensar aqueles que sacrificam por causa do evangelho com tesouros no céu (Mateus 6:19-20).
O apóstolo Paulo olha para a frente para receber a coroa da justiça no dia do julgamento (2 Timóteo 4:7-8).
Jesus promete vida eterna para aqueles que seguem a Ele e fazem a vontade de seu Pai (João 10:27-28).

A Importância da Unidade nas Missões:
Jesus ora pela unidade dos crentes para que o mundo creia que o Pai enviou o Filho (João 17:20-23).
Os discípulos são chamados a manter a unidade do Espírito por meio dos laços da paz (Efésios 4:3).
Paulo exorta os crentes a serem unidos no mesmo pensamento e no mesmo propósito (1 Coríntios 1:10).

O Papel dos Milagres nas Missões:
Jesus realiza milagres para autenticar sua mensagem e demonstrar o poder de Deus (João 2:11; 20:30-31).
Os apóstolos realizam sinais e maravilhas como testemunho do evangelho que pregam (Atos 2:43; 5:12).
Paulo opera milagres para confirmar sua autoridade apostólica e a veracidade do evangelho (Atos 14:8-10; 19:11-12).

O Engajamento Social nas Missões:
Jesus ensina sobre a importância de alimentar os famintos, vestir os nus e cuidar dos necessitados (Mateus 25:35-40).
A igreja primitiva é caracterizada por compartilhar seus recursos e cuidar dos pobres entre eles (Atos 2:44-45; 4:32-35).
Tiago destaca a importância de colocar a fé em ação, cuidando dos órfãos e das viúvas em suas aflições (Tiago 1:27).

A Proteção dos Oprimidos nas Missões:
Deus se posiciona ao lado dos oprimidos e defende os direitos dos desfavorecidos (Salmo 9:9-10; 146:7-9).
Jesus liberta os oprimidos espiritualmente e proclama a boa notícia aos cativos (Lucas 4:18-19).
A igreja é chamada a fazer justiça, amar a misericórdia e andar humildemente com Deus (Miquéias 6:8).

O Avivamento Espiritual nas Missões:
O Espírito Santo é derramado sobre os crentes no dia de Pentecostes, capacitando-os para testemunhar com poder (Atos 2:1-4).
A oração fervorosa dos crentes precede os grandes avivamentos e movimentos missionários na história da igreja (Atos 4:31).
Deus promete enviar chuvas de avivamento sobre a terra para renovar e restaurar seu povo (Zacarias 10:1).

A Responsabilidade dos Líderes nas Missões:
Os líderes da igreja são chamados a pastorear o rebanho de Deus e a guiar o povo nos caminhos do Senhor (1 Pedro 5:2-3).
Jesus comissiona os líderes da igreja a fazer discípulos de todas as nações, ensinando-os a obedecer aos seus mandamentos (Mateus 28:19-20).
Paulo instrui os presbíteros a cuidarem do rebanho de Deus e a estarem atentos contra os falsos mestres (Atos 20:28-31).

A Missão de Levar Esperança nas Situações de Desespero:
Jesus é descrito como o consolador e a fonte de esperança para aqueles que estão cansados e sobrecarregados (Mateus 11:28-30).
Paulo ensina que a esperança não decepciona, porque o amor de Deus é derramado em nossos corações pelo Espírito Santo (Romanos 5:5).
A esperança da glória futura nos fortalece em meio às tribulações e nos impulsiona a perseverar na fé (Romanos 8:18-25).

A Transformação de Vidas nas Missões:
O encontro de Zaqueu com Jesus resulta em uma mudança radical em sua vida, levando-o a restituir quatro vezes mais o que havia roubado (Lucas 19:1-10).
A conversão do apóstolo Paulo de perseguidor a pregador do evangelho é um exemplo poderoso da transformação que o poder de Cristo pode operar (Atos 9:1-22).
A libertação da mulher samaritana do ciclo de pecado e vergonha após seu encontro com Jesus demonstra o impacto transformador do evangelho (João 4:1-42).

O Desafio da Contextualização nas Missões:
Paulo, ao pregar em Atenas, faz referência à religião e cultura local para comunicar o evangelho de forma relevante (Atos 17:22-31).
O apóstolo Pedro adapta sua mensagem ao público judeu em Jerusalém, usando as Escrituras hebraicas para proclamar Jesus como o Messias prometido (Atos 2:14-36).
Jesus usa parábolas e ilustrações do cotidiano para transmitir verdades espirituais de maneira acessível e compreensível (Mateus 13:34-35).

A Importância da Capacitação nas Missões:
Os discípulos são instruídos e treinados por Jesus antes de serem enviados para pregar o evangelho (Mateus 10:1-8).
Paulo passa tempo investindo em discipulado e treinamento de líderes, como Timóteo e Tito, para fortalecer a obra missionária (2 Timóteo 2:2).
A escola de profetas em Israel era um lugar onde os servos de Deus eram treinados e equipados para o ministério (1 Samuel 19:20).

A Responsabilidade de Multiplicar Discípulos nas Missões:
Jesus comissiona seus discípulos a fazerem discípulos de todas as nações, ensinando-os a obedecer a tudo o que Ele ordenou (Mateus 28:19-20).
Paulo instrui Timóteo a transmitir o que aprendeu a homens fiéis, que também sejam capazes de ensinar outros (2 Timóteo 2:2).
O modelo de discipulado de Jesus, investindo em um pequeno grupo de discípulos, demonstra a importância da multiplicação para a expansão do Reino de Deus (Marcos 3:14-15).

A Celebração da Diversidade nas Missões:
A visão de João em Apocalipse retrata uma multidão de todas as nações, tribos, povos e línguas adorando a Deus diante do trono (Apocalipse 7:9).
Paulo ensina que, em Cristo, não há judeu nem grego, escravo nem livre, homem nem mulher, pois todos são um em Cristo Jesus (Gálatas 3:28).
A diversidade é uma expressão da sabedoria e criatividade de Deus, refletida na variedade de culturas e etnias que Ele criou (Atos 17:26).

A Proteção Divina durante as Missões Transculturais:
Deus promete estar com seus servos onde quer que forem, protegendo-os e guardando-os em segurança (Isaías 43:2).
O anjo do Senhor aparece a Paulo durante uma tempestade no mar, garantindo-lhe proteção e segurança (Atos 27:23-24).
Jesus assegura aos seus discípulos que Ele estará com eles sempre, até o fim dos tempos, fornecendo-lhes segurança e proteção durante suas missões (Mateus 28:20).

  • Autores do blog: Ivaldo Fernandes
  • Título: esboço para culto de missões
  • Last updated: 

Comentários